© 2023 por Íris Palma. Criado orgulhosamente com Wix.com

NO SILÊNCIO DA PRIMEIRA ONDA

de Rafael Alvarez | BODYBUILDERS

& Plural_Companhia de Dança

Estreia absoluta

20 Fevereiro, Quarta-feira_ 21:00

INART - Community Arts Festival

Sala Luis Miguel Cintra

Teatro Municipal São Luiz

 

Reservas e Informações: Tel. (+351) 213 257 650

bilheteira@teatrosaoluiz.pt

No silêncio da primeira onda, somos levados a mergulhar com os nossos corpos de papel num mar de emoções, imagens, memórias, sombras e promessas de futuros plurais. No intervalo de uma onda e no vazio imenso de uma folha de papel, somos livro aberto, folha em branco, tela despida pelo olhar, trazendo no corpo um mar de razões para celebrarmos a diversidade - Sete ondas para sete intérpretes, numa onda que liga e abraça. O silêncio permite a escuta, abre espaço ao outro, permite o encontro de nós mesmos. O mar limpa, lava, traz e leva de volta. Invade, inunda, envolve, purifica e afunda. Rebenta e pacifica. É mergulho, agitação, energia vital, revolução e revolta. É espuma dos dias, azul infinito. É profundidade e espelho. É liberdade e transparência. É mundo e horizonte sem fim. No silêncio somos onda (de mudança). Entre imobilidade e velocidade, perto e longe, mais perto do que longe navegamos de oriente para ocidente, no silêncio da primeira onda.

O espectáculo NO SILÊNCIO DA PRIMEIRA ONDA dirigido pelo coreógrafo Rafael Alvarez no âmbito do Projecto WAVE, resulta de uma colaboração entre a BODYBUILDERS e a Plural_Companhia de Dança/Fundação LIGA em parceria com a Escola Superior de Dança/Instituto Politécnico de Lisboa. Esta nova criação da Plural aprofunda o seu percurso pioneiro de mais de 24 anos na Dança Inclusiva, contando com a participação de bailarinos com diversidade funcional, alunos finalistas e diplomados da Escola Superior de Dança, parceiro regular da Plural desde 2000. Em palco sete bailarinos com e sem deficiência celebram a diversidade humana lançando o desafio para para um mundo e um palco cada vez mais plurais.

O Projecto WAVE (Portugal-Japão-França-Malásia), dá continuidade à pesquisa e criação coreográfica iniciada em 2017 pelo coreógrafo Rafael Alvarez no Japão. Para além da criação e circulação em Portugal, no Japão, Malásia e Tailândia do solo "NO INTERVALO DE UMA ONDA" (2017) e do dueto "NA ONDA DA DISTÂNCIA" (2018-19), o Projecto WAVE integra ainda um conjunto de actividades de criação, apresentação e formação (residências, espectáculos, laboratórios e masterclasses) realizadas em Portugal, França, Japão e Malásia envolvendo localmente artistas profissionais e estudantes do ensino superior artístico, bailarinos com diversidade funcional, maiores de 55 anos & seniores na apresentação de diferentes criações de ligação à Comunidade.

 

Uma imagem iniciática motiva a criação do projecto WAVE, permanecendo invisível, mas presente ao longo das diferentes criações – “A Grande Onda de Kanawaga”, obra icónica do pintor japonês Hokusai criada em 1830 e reproduzida a partir de meados de 1870 através de uma série de litografias partindo da técnica tradicional de estampa japonesa, conhecida por ukiyo (literalmente, “mundo flutuante”).

Rafael Alvarez

Coreógrafo e intérprete, cenógrafo e figurinista, investigador e professor. O seu trabalho coreográfico tem sido apresentado desde 1997 na Europa, América do Sul e América do Norte, Médio Oriente, Ásia e África. Nos últimos 20 anos tem investigado e desenvolvido uma dimensão plástica do movimento e da composição, revelando uma forte componente visual na construção do corpo-espaço e da linguagem coreográfica. Os seus espectáculos destacam-se pelo uso enigmático, simbólico, poético e minimalista do corpo, da dança e do espaço. Tem investido de forma aprofundada, na relação da Dança com a Comunidade e na dimensão colaborativa da prática artística de diálogo e intervenção com o mundo. Lecciona desde 1998, Dança Contemporânea – Improvisação/Composição e Dança Inclusiva, desenvolvendo projectos de formação envolvendo estudantes e profissionais de dança, pessoas com deficiência, seniores, pessoas com Parkinson, crianças e artistas em geral. Coordenador e professor no projecto Dança Contemporânea para Maiores de 55 Anos & Seniores que dirige desde 2001 em Lisboa integrando aulas semanais, laboratórios e apresentações. Coordenador artístico da Plural_Companhia de Dança e professor de dança inclusiva na Fundação LIGA (desde 1998). Integra a equipa de professores do Projecto Dançar com Pk - Aulas de Dança para Pessoas com Parkinson (membro do Dance for PD/EUA). Professor de Improvisação/Composição na FOR Dance Theatre / Companhia Olga Roriz (2017-19). 

Foi intérprete em espectáculos e projectos dirigidos pelos coreógrafos – Francisco Camacho/EIRA (PT), Christian Rizzo (FR), Lynda Gaudreau/Lucky Bastards (CN/FR) e do encenador Luís Castro/Karnart, entre outros. Doutor em Comunicação, Cultura e Arte - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, UALG. Pós-graduado em Ciências da Comunicação – Cultura Contemporânea – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade. Nova de Lisboa. Formado em Realização Plástica do Espectáculo e em Teatro e Educação - Escola Superior de Teatro e Cinema IPL. Foi Bolseiro do Centro Nacional de Cultura na área da Dança/Criação (2000-2002). Investigador Integrado CHAIA – Centro de História de Arte e Investigação Artística. Foi artista apoiado pelo O Rumo do Fumo (2000- 04) e artista associado da EIRA – Dança Contemporânea e Performance (2005-2016). Co-fundador da ANKA Companhia de Dança Inclusiva de São Tomé e Príncipe. Co-fundador e director artístico da BODYBUILDERS – Dança Contemporânea. 

BODYBUILDERS | Rafael Alvarez é uma estrutura de pesquisa e criação artística sediada em Lisboa, com foco nas dimensões do corpo, da dança contemporânea e da linguagem coreográfica, no cruzamento com outras áreas artísticas e de pensamento-acção. A sua actividade centra-se na produção e difusão do trabalho do coreógrafo/intérprete Rafael Alvarez, assente numa dinâmica de parcerias e colaborações com outros criadores e outras estruturas de criação, produção e programação em Portugal e a nível internacional. Desde o inicio da sua criação em 2016, a BODYBUILDERS tem produzido e apresentado os seus espectáculos e projectos em Portugal, França, Alemanha, São Tomé e Principe, Malásia e Japão. Para além das vertentes de criação e investigação artística, a BODYBUILDERS investe de forma aprofundada e continuada no desenvolvimento de projectos de diálogo e intercâmbio com públicos alargados na aproximação da Dança Contemporânea à Comunidade, no desenvolvimento e formação de públicos e na formação artística, envolvendo – maiores de 55 anos e seniores, crianças e jovens, pessoas com Parkinson, pessoas com deficiência/ diversidade funcional, não-profissionais, estudantes do ensino superior artístico e vocacional e artistas em geral nas actividades de formação/criação dirigidas por Rafael Alvarez e co-organizadas pelos seus parceiros. Entende e promove a prática e experimentação artística como espaço plural de intervenção, reflexão e questionamento apostando na dimensão estética, ética e política do Corpo, como elemento de transformação/interpelação do mundo, agente de mudança de paradigmas e realidades. BODYBUILDERS – corpo em construção, corpo em diálogo. 

A BODYBUILDERS tem contado com o apoio para o desenvolvimento dos seus projectos por parte das seguintes entidades: Fundação Calouste Gulbenkian, Direcção-Geral das Artes / Ministério da Cultura, Camões - Instituto da Cooperação e da Lingua / Ministério dos Negócios Estrangeiros, Fundação GDA, FUJI Film Portugal e dos parceiros - Universidade de Évora/Escola de Artes, Escola Superior de Dança, Escola Superior de Arte e Design Caldas da Rainha, CHAIA - Centro de Historia de Arte e Investigação Artística, Fundação LIGA, Ryogoku BEAR (Tóquio), Ko Moruboshi Archive (Tóquio), Duplacena, Culturgest/ Fundação CGD, Negócio/ZDB, Embaixada de Portugal em São Tomé e Principe, Embaixada de Portugal em Tóquio, entre outros.

Direcção Artística, Coreografia, Cenário e Figurinos: Rafael Alvarez

 

Interpretação/Co-criação: Bruno Freitas, Diana Bastos Niepce, Frederico Augusto, Jonathan Taylor, Margarida Sousa, Margarida Paiva, Maria Abrantes e Rafael Alvarez

Assistência de Coreografia: Bruno Freitas

Direcção Técnica e Desenho de Luz: Nuno Patinho

Produção e Administração: BODYBUILDERS | Rafael Alvarez

Gestão Financeira: Sara Lamares

Coordenação Geral Plural/Fundação LIGA: Cristina Passos

Assessoria de Imprensa: Mafalda Simões

 

Apoio à Execução de Guarda-Roupa: Atelier de Costura / Fundação LIGA

Registo e Edição Vídeo: Bruno Canas

Fotografia de Cena: Elisabeth Vieira Alvarez

Design Gráfico: Paulo Guerreiro

 

Co-produção: BODYBUILDERS | Rafael Alvarez, Fundação LIGA e Vo’arte

Parceria: Escola Superior de Dança/IPL

 

Projecto WAVE apoiado pela República Portuguesa – Cultura / Direcção-Geral das Artes

A Plural é uma companhia de dança inclusiva com um percurso pioneiro de mais de 24 anos apostando na criação, pesquisa, formação, sensibilização e produção de projectos coreográficos, ao nível nacional e internacional, resultando do encontro e colaboração artística entre intérpretes com e sem deficiência, profissionais, estudantes e comunidade da dança. O desafio lançado por cada um dos seus espectáculos promovidos pela Fundação LIGA desde 1995 com apresentações em Portugal, Espanha, Itália, Reino Unido e Estados Unidos, é o de pensar e reinventar a Diversidade Humana através do Corpo e da Dança Contemporânea criando oportunidades para um mundo e um palco cada vez mais plurais. Organiza ainda formação regular em Dança Inclusiva (aulas regulares, laboratórios e workshops) dirigidos a participantes com diversidade funcional, estudantes e profissionais da áreas da dança, reabilitação e inclusão social.

A Fundação LIGA capacita pessoas em situação de vulnerabilidade, nomeadamente com deficiência, promovendo competências, autonomias e qualidade de vida, através da disponibilização de recursos nas áreas da (re)habilitação, formação profissional e emprego, acessibilidade e das artes, contribuindo para o desenvolvimento de uma sociedade mais inclusiva e plural. Publicamente constituída a dois de Março de 2004 por personalidades de diversos sectores da sociedade portuguesa, surge na continuidade das associações fundadoras, a LPDM Centro de Recursos Sociais (1994) e a Liga Portuguesa dos Deficientes Motores (1954), a primeira resposta neste domínio, organizada pela sociedade civil portuguesa. Abrange cerca de 1.600 Pessoas/ano, entre os zero e os mais de cem anos, com condicionamentos da sua funcionalidade física, social e/ou cultural.

©Elisabeth Vieira Alvarez

©Elisabeth Vieira Alvarez

©Elisabeth Vieira Alvarez

©Elisabeth Vieira Alvarez

©Elisabeth Vieira Alvarez