Captura de ecrã 2021-05-27, às 16.52.19.

©Elisabeth Vieira Alvarez

Direcção Artística, Coreografia, Cenografia e Figurinos: Rafael Alvarez

Co-criação e Interpretação: Cristina Tavares, Diana Niepce Bastos, Frederico Augusto,

Inês Cardoso, Noeli Kikuchi, Rita Pinho

Assistência: Noeli Kikuchi

Desenho de Luz e Operação Técnica: Guilherme Pompeu

Coordenação e Produção: Rafael Alvarez | BODYBUILDERS

Apoio à Produção e Coordenação Plural/Fundação LIGA: Cristina Passos

Gestão Financeira: Sara Lamares

Assessoria de Imprensa: Mafalda Simões

Fotografia e Livro: Elisabeth Vieira Alvarez

Apoio à Edição Livro: Susana Paiva

Registo Vídeo Espectáculo: Bruno Canas

Design Gráfico: Paulo Guerreiro

 

Co-produção: BODYBUILDERS | Rafael Alvarez e Plural_Companhia de Dança/Fundação LIGA

 

Parcerias: Escola Superior de Dança/IPL, Carpintarias de São Lázaro

Parcerias Media: Antena 2, RTP Palco

Apoio à Criação e Edição: República Portuguesa - Cultura / DGARTES

_______________________________________________________________________________________

UN TSUGI | Livro de Fotografia

autoria Elisabeth Vieira Alvarez | Edição BODYBUILDERS

 

*Lançamento e venda durante as datas de apresentação do espectáculo. 

Projecto fotográfico de Elisabeth Vieira Alvarez acompanha o processo de criação e ensaios do espectáculo UN TSUGI. As imagens fotográficas propõem uma dramaturgia visual paralela ao dispositivo coreográfico e cenográfico deste espectáculo de dança contemporânea e inclusiva.

Captura de ecrã 2021-05-27, às 19.52.12.
UN TSUGI instagram-page001.png

UN TSUGI 雲継ぎ

de Rafael Alvarez | BODYBUILDERS

& Plural_Companhia de Dança

Estreia absoluta

4 e 5 Junho 2021, sexta e sábado, 19:00

Carpintarias de São Lázaro

R. de São Lázaro 72, Lisboa

Clipping Imprensa

UN TSUGI (nuvem de ligações) convoca a prática terapêutica shinrin-yoku - expressão nipónica para banho (shinrin) e floresta (yoku), literalmente ‘banho de floresta’. O dispositivo coreográfico e cenográfico do espectáculo coloca simbolicamente e materialmente a figura das árvores e da inteligência dos eco-sistemas florestais como paradigma para pensarmos o lugar e o papel do corpo - ético, ecológico, poético, político e estético num tempo de emergência climática global, reflectindo sobre a herança e a inteligência das árvores, sobre a vida em comunidade e sobre a diversidade e co-existência de espécies humanas e não-humanas. 

 

Este novo espectáculo de dança contemporânea da BODYBUILDERS | Rafael Alvarez & Plural_Companhia de Dança/Fundação LIGA, com direcção artística do coreógrafo Rafael Alvarez, assinala os 26 anos desta companhia pioneira em Portugal na área da dança inclusiva, resultando da colaboração entre seis intérpretes com e sem deficiência/diversidade funcional, bailarinos residentes da Plural, recém-licenciados da Escola Superior de Dança e outros artistas convidados. 

O ‘kintsugi’ técnica milenar e artesanal do Japão que consiste em reparar e ligar peças quebradas de cerâmica através de uma liga dourada inspira a origem e título deste projecto. Os corpos que se convocam através do projecto TSUGI (do japonês: reparar, ligar, unir), são corpos de resiliência, resistência e acção, são corpos de ligação. Não pretendemos camuflar a natureza frágil que nos humaniza, mas antes celebrar, plantar e reflorestar a diversidade e a pluralidade. O desafio trazido a palco, será o de pensar o presente e o futuro sustentável a partir da poesia destes corpos-árvore.

_

 

TSUGI é um projecto multidisciplinar (dança e fotografia), inclusivo e intergeracional, promovido pela BODYBUILDERS | Rafael Alvarez entre Novembro de 2020 e Abril de 2022, envolvendo respectivamente intérpretes com e sem deficiência/diversidade funcional, recém-licenciados em dança e outros artistas convidados; maiores de 55 anos e seniores, com apresentações em Lisboa, Ílhavo e Paris. TSUGI aprofunda e dá continuidade à investigação artística e criação coreográfica desenvolvida pelo coreógrafo Rafael Alvarez em torno do Japão desde 2017.

Bilhete normal 10€

Bilhete com desconto 5€

(desconto para pessoas com deficiência mediante apresentação de atestado multiusos e acompanhante, desconto para clientes e colaboradores da Fundação LIGA, desconto para a comunidade escolar da Escola Superior de Dança) 

 

Reservas: reservas@csl-lisboa.pt 

(levantamento de bilhetes reservados até 2 horas antes do início do espectáculo; pagamento disponível apenas em dinheiro)

 

Horário da bilheteira:

Quinta das 12h às 18h

Sexta e Sábado das 12h às 19h

 

(acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida)

 

*A receita da bilheteira deste espetáculo irá apoiar a continuidade das atividades artísticas desenvolvidas para pessoas com deficiência pela Casa das Artes, da Fundação LIGA.

A Plural é uma companhia de dança inclusiva com um percurso pioneiro de mais de 26 anos apostando na criação, pesquisa, formação, sensibilização e produção de projectos coreográficos, ao nível nacional e internacional, resultando do encontro e colaboração artística entre intérpretes com e sem deficiência, profissionais, estudantes e comunidade da dança. O desafio lançado por cada um dos seus espectáculos promovidos pela Fundação LIGA desde 1995 com apresentações em Portugal, Espanha, Itália, Reino Unido e Estados Unidos, é o de pensar e reinventar a Diversidade Humana através do Corpo e da Dança Contemporânea criando oportunidades para um mundo e um palco cada vez mais plurais. Organiza ainda formação regular em Dança Inclusiva (aulas regulares, laboratórios e workshops) dirigidos a participantes com diversidade funcional, estudantes e profissionais da áreas da dança, reabilitação e inclusão social.

A Fundação LIGA capacita pessoas em situação de vulnerabilidade, nomeadamente com deficiência, promovendo competências, autonomias e qualidade de vida, através da disponibilização de recursos nas áreas da (re)habilitação, formação profissional e emprego, acessibilidade e das artes, contribuindo para o desenvolvimento de uma sociedade mais inclusiva e plural. Publicamente constituída a dois de Março de 2004 por personalidades de diversos sectores da sociedade portuguesa, surge na continuidade das associações fundadoras, a LPDM Centro de Recursos Sociais (1994) e a Liga Portuguesa dos Deficientes Motores (1954), a primeira resposta neste domínio, organizada pela sociedade civil portuguesa. Abrange cerca de 1.600 Pessoas/ano, entre os zero e os mais de cem anos, com condicionamentos da sua funcionalidade física, social e/ou cultural.